Almanaque umdoistres

 Setembro 2014

Todas as publicações em  Almanaque umdoistres são de textos e imagens que circulam diariamente entre as milhares de Caixas de Entrada de grupos que compartilham e-mails entre si. O endereço umdoistres@umdoistres.com.br, desde 2003 faz parte de incontáveis Catálogos de Endereço no Brasil e exterior. Nada publicado aqui é de autoria de nossa equipe - salvo quando assinado.

  Setembro 2014  Agosto 2014   Julho 2014   Junho 2014   Maio 2014   Abril 2014   Março 2014   Fevereiro 2014  Janeiro 2014

 Almanaque 2013  Almanaque 2012  Almanaque 2011   Almanaque 2010   Almanaque 2009   Almanaque 2008  

Filme com sua participação. Demora um pouco para carregar. Entretanto, é sensacional.
Quer ver sua história contada no futuro? Então acesse o link abaixo e preencha apenas 3 dados.
Já testamos e é uma brincadeira muito legal. Apenas 3 dados e veja o resultado.
http://www.this-is-my-story.com/ 

É velho mas é bom. Coisa de oriental mesmo! Assista ao video desta propaganda com tela cheia.
http://www.youtube.com/watch_popup?v=K-Rs6YEZAt8 

Duelo musical. Fantástico!
http://www.youtube.com/watch_popup?v=G4nX0Xrn-wo&sns=em

Espetacular mesmo!
http://www.youtube.com/embed/XMkaBN3x5AM 

Explosão da violência em SP e no Brasil
LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil.
Estou no professorLFG.com.br e no twitter: @professorlfg

Como retrato fiel de todo país, o Estado de São Paulo vivencia uma brutal epidemia de violência. Os aumentos (de 2013 para 2014 - 1º semestre) foram os seguintes: Vale do Paraíba, 11,76%; Campinas, 7,7%; Bauru, 7,6%; Sorocaba, 4,7%; Presidente Prudente, 10,5%; Piracicaba, 6,4%; Ribeirão Preto, 26,17%; S. J. do Rio Preto, 31,6% e Santos, 24,8%. Fonte: SSP-SP.

Em 1980 contávamos com 11,7 assassinatos para cada 100 mil pessoas; pulamos para 29, em 2012. Os homicídios diminuíram em alguns grandes centros (SP, RJ etc.), deslocando-se para o norte e nordeste, mas não a violência (roubos, latrocínios, estupros etc.), que continua aumentando assustadoramente em todo país.

As medidas de combate ao crime (anunciadas pelo governo de SP) são completamente ineficazes: (a) a lei dos desmanches vai aprimorar a fiscalização (será que ainda existe quem confia nisso?); (b) a polícia está empenhada e foi elogiada na Copa (todos os crimes, com exceção dos homicídios em SP, aumentaram na Copa); (c) nova campanha de desarmamento (não é novidade); (d) terceirização do 190 (ele só é acionado quando a vida já foi, quando o carro já foi roubado etc.); (e) sistema Detecta (monitoramento dos crimes, usado em NY) (monitorar não é prevenir). São medidas completamente paliativas, que só têm o propósito de empurrar o problema da segurança com a barriga.

Todos os países do mundo, com números reduzidíssimos de delitos violentos, fizeram duas coisas relevantíssimas: certeza do castigo (não necessariamente duro, mas infalível) e medidas socioeconômicas e educativas. No Brasil fazemos tudo errado. E quem planta errado, colhe frutos amargos.

O que SP sempre fez para diminuir os crimes violentos? Combate rotineiro de alguns deles, via patrulhamento nas ruas, e prisões em flagrantes de poucos criminosos inábeis (menos de 2% do total), sobretudo ladrões (prendendo-se a escória mais barata do crime). Isso é feito desde que a polícia militar foi inaugurada, em 1831.

O que não se faz? A investigação de inteligência para identificar os homicidas, os grandes receptadores, os bancos que lavam o dinheiro sujo, os políticos envolvidos com o crime, os grandes traficantes, os policiais integrantes do crime organizado, os poderosos que encomendam as mercadorias roubadas, incluindo supermercados, etc.

Há toda uma cadeia produtiva na indústria da violência (diz Bruno Paes Mando), mas somente a mão de obra barata e mais despreparada é que é selecionada para ir para a cadeia. Os grandes criminosos ficam sempre impunes.

Aliás, no Estado de São Paulo, a maioria deles nem sequer é investigada, porque a polícia civil foi completamente sucateada. Somente 1 de cada 10 roubos tem inquérito policial. A falência é absoluta. Não existe a certeza do castigo, muito menos políticas socioeconômicas e educativas. Há 30 anos os crimes não param de subir.

Há cinco séculos, em matéria de segurança, fazemos as coisas erradas. Quem faz o errado não pode esperar que um dia dê certo. E não vai dar. Mas um dia a paciência do povo humilhado pode acabar (esse é o risco). Ninguém sabe o que vai ocorrer em consequência desse caos absoluto. O melhor seria uma saída não violenta, mas as massas costumam agir com muita violência (Ortega y Gasset). Podemos chegar a uma revolução com quebradeira geral, um novo 14 de julho (Queda da Bastilha, em Paris)? O futuro dirá.

Vejam como é fácil arrumar doenças. Pra se divertir um pouco.

Meu Tio Tonico

Meu tio Tonico estava bem de saúde, até que sua esposa, minha tia Marocas, a pedido de sua filha, minha prima Totinha, disse:

-Tonico, você vai fazer 70 anos, está na hora de fazer um check-up com o médico.

- Para quê, estou me sentindo muito bem!

-Porque a prevenção deve ser feito agora, quando você ainda se sente jovem, disse minha tia.

Então meu tio Tonico foi ver um médico. O médico, sabiamente, mandou-o fazer testes e análises de tudo o que poderia ser feito e que o plano de saúde cobrisse.

Duas semanas mais tarde, o médico disse que os resultados estavam muito bons, mas tinha algumas coisas que podiam melhorar. Então receitou:

Comprimidos Atorvastatina para o colesterol, Losartan para o coração e hipertensão, Metformina para evitar diabetes,
Polivitaminas para aumentar as defesas.

Norvastatina para a pressão, Desloratadina em alergia.

Como eram muitos medicamentos, tinha que proteger o estômago, então ele indicou Omeprazol e um diurético para os inchaços.

Meu tio Tonico foi à farmácia e gastou boa parte da sua aposentadoria em várias caixas requintadas de cores sortidas.

Nessa altura, como ele não conseguia se lembrar se os comprimidos verdes para a alergia deviam ser tomadas antes ou depois das cápsulas para o estômago e se devia tomar as amarelas para o coração antes ou depois das refeições, voltou ao médico. Este lhe deu uma caixinha com várias divisões, mas achou que titio estava tenso e algo contrariado. Receitou-lhe, então, Alprazolam e Sucedal para dormir.

Naquela tarde, quando ele entrou na farmácia com as receitas, o farmacêutico e seus funcionários fizeram uma fila dupla para ele passar através do meio, enquanto eles aplaudiam.

Meu tio, em vez de melhorar, foi piorando. Ele tinha todos os remédios num armário da cozinha e quase já não saia mais de casa, porque passava praticamente todo o dia a tomar as pílulas.

Dias depois, o laboratório fabricante de vários dos remédios que ele usava, deu-lhe um cartão de “Cliente Preferencial”, um termômetro, um frasco estéril para análise de urina e lápis com o logotipo da farmácia.

Meu tio deu azar e pegou um resfriado. Minha tia Marocas, como de costume, fez ele ir para a cama, mas, desta vez, além do chá com mel, chamou também o médico.

Ele disse que não era nada, mas prescreveu Tapsin para tomar durante o dia e Sanigrip com Efedrina para tomar à noite. Como estava com uma pequena taquicardia, receitou Atenolol e um antibiótico, 1 g de Amoxicilina. A cada 12 horas, durante 10 dias. Apareceram fungos e herpes, e ele receitou Fluconol com Zovirax.

Para piorar a situação, Tio Tonico começou a ler as bulas de todos os medicamentos que tomava, e ele ficou sabendo todas as contra-indicações, advertências, precauções, reações adversas, efeitos colaterais e interacções médicas.

Leu coisas terríveis. Não só poderia morrer mas poderia ter também arritmias ventriculares, sangramento anormal, náuseas, hipertensão, insuficiência renal, paralisia, cólicas abdominais, alterações do estado mental e um monte de coisas terríveis.

Com medo de morrer, chamou o médico, que disse para não se preocupar com essas coisas, porque os laboratórios só colocavam para se isentar de culpa.

- Calma, seu Tonico, não fique aflito, disse o médico, enquanto prescrevia uma nova receita com um antidepressivo Sertralina com Rivotril 100 mg. E como titio estava com dor nas articulações deu Diclofenaco.

Nessa altura, sempre que o meu tio recebia a aposentadoria, ia direto para a farmácia, onde já tinha sido eleito cliente VIP.

Chegou um momento em que o dia do pobre do meu tio Tonico não tinha horas suficientes para tomar todas as pílulas, portanto, já não dormia, apesar das cápsulas para a insônia que haviam sido prescritas.

Ficou tão ruim que um dia, conforme já advertido nas bulas dos remédios, morreu.

No funeral tinha muita gente mas quem mais chorava era o farmacêutico.

Agora tia Marocas diz que felizmente mandou titio para o médico bem na hora, porque se não, com certeza, ele teria morrido antes.

Este texto é dedicado a todos os nossos amigos, sejam eles médicos ou pacientes.

Qualquer semelhança com fatos reais (não) será “pura coincidência”

 Maiores conflitos mortais do mundo

Conheça os 10 países com melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) no mundo

De uma câmera fotográfica encontrada após 60 anos

Estas fotos foram descobertas recentemente. É incrível que um filme poderia durar tanto tempo em uma câmara sem desintegrar. Fotos fantásticas tomadas há 68 anos. Estas imagens são absolutamente incríveis. Fotos armazenadas em um velho BROWNIE CAMERA com qualidade de 1941. São fotos do ataque a Pearl Harbor armazenadas encontradas em um armário que foram recentemente reveladas. Estas fotos são de um marinheiro que estava no USS QUAPAW ATF-11O. Espetaculares!

No domingo 07 de dezembro de 1941 os japoneses lançaram um ataque surpresa contra as forças norte-americanas estacionada em Pearl Harbor, no Havaí. Ao planejar o ataque em um domingo, o comandante japonês sob o comando do almirante Nagumo, esperava pegar toda a frota no porto. Felizmente, um dos porta-aviões e navios de guerra não estavam no porto. O USS Enterprise estava retornando da Ilha Wake, onde tinha acabado de entregar algumas aeronaves. O USS Lexington transportava aeronave para Midway. E o USS Saratoga e USS Colorado foram para reparos nos EUA. Apesar de os últimos relatórios de inteligência sobre os porta-aviões em falta (seus alvos mais importantes), o Almirante Nagumo decidiu continuar o ataque com sua força de seis prta-avióes e 423 aeronaves. A uma distância de 230 quilômetros ao norte de Oahu, lançou a primeira onda de um ataque em duas ondas. A artir das 06h00, sua primeira onda consistiu de 183 caças e bombardeiros com torpedos que atingiu a frota em Pearl Harbor e os aeródromos em Hickam, Kaneohe e Ewa. O segundo ataque, lançado em 07h15, consistiu de 167 aeronaves, que novamente atacou os mesmos alvos. Para 07h53 a primeira onda que consiste de 40 torpedos 'Kate' Nakajima B5N2, 51
Aichi D3A1 Val e bombardeiros. 50 bombardeiros de grande altitude e 43 zeros. Eles atacaram os aeródromos e Pearl Harbor Na próxima hora, a segunda onda chegou e continuou o ataque.