Almanaque umdoistres

 Novembro 2014

Todas as publicações em  Almanaque umdoistres são de textos e imagens que circulam diariamente entre as milhares de Caixas de Entrada de grupos que compartilham e-mails entre si. O endereço umdoistres@umdoistres.com.br, desde 2003 faz parte de incontáveis Catálogos de Endereço no Brasil e exterior. Nada publicado aqui é de autoria de nossa equipe - salvo quando assinado.

 Novembro 2014    Outubro 2014   Setembro 2014  Agosto 2014   Julho 2014   Junho 2014   Maio 2014   Abril 2014   Março 2014   Fevereiro 2014  Janeiro 2014

 Almanaque 2013  Almanaque 2012  Almanaque 2011   Almanaque 2010   Almanaque 2009   Almanaque 2008  

Um dos melhores documentários sobre São Paulo. Imperdível !!!
http://player.vimeo.com/video/14770270?title=0&byline=0&portrait=0 

Que extraordinária disciplina das chinesas!
http://www.youtube.com/embed/1vA4T1wfJLE?rel=0 

O canal pago TNT é especialista em emoções fortes. Como os americanos chamam: drama. Para seu lançamento na Bélgica, colocaram uma plataforma com um grande botão vermelho em uma pracinha de um vilarejo. No alto, o sinal: aperte o botão para adicionar drama. Finalmente, alguém apertou. O que aconteceu depois foi registrado.
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=316AzLYfAzw

Meio imbecil...
http://www.frizou.org/videos/139.html 

Você está reclamando do calor ? Veja quando neva.
http://www.youtube.com/watch_popup?v=xkk7DX0l95A&Lid=12 

Brasil será potência mundial
LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil.
Estou no professorLFG.com.br e no twitter: @professorlfg


No decurso da Copa do Mundo recebi e conversei muito com alguns amigos estrangeiros. Eles estavam encantados com nosso país, com a hospitalidade, com a culinária, suas belezas naturais, suas cidades pujantes, estádios bonitos etc. Um deles, visivelmente o mais entusiasmado, dizia que o Brasil se converteria, em breve, em uma grande potência mundial, "na ciência e na tecnologia, na educação e na cidadania, no agronegócio e na indústria, na produtividade e na competividade etc."

Fiquei me perguntando qual seria o milagre que iria transformar nosso país em um paraíso. É certo que não podemos negar as qualidades extraordinárias do Brasil, mas ao mesmo tempo sabemos que estamos mergulhados num caos profundo, sobretudo porque sempre fomos governados por pessoas que sempre pensaram mais nelas que nos interesses gerais. Ponderei aos meus amigos que somos dois brasis (um com a proa voltada para a civilização e outro muito atrasado - Brasildinávia e Brasilquistão). Somos cordiais (agreguei), mas matamos 57 mil pessoas por ano; somos hospitaleiros, mas campeões do mundo em violência contra os professores; matamos 12 mulheres a cada 24 horas, 130 pessoas diariamente em acidentes de trânsito etc.

Ao meu interlocutor ainda sublinhei o seguinte: como pode o Brasil vir a ser uma potência mundial respeitada, se ele conta ainda com tanta violência (e a violência é sinal de atraso e de barbárie, não de evolução). Dei-lhe alguns números: em 1980, o Brasil era o quarto país mais violento do mundo, dentre 23 (só temos dados disponíveis de 23 países nesse ano). Em 1995, dentre 80 países, passamos para a sexta posição. Já em 2000, passamos a ser o sétimo mais violento do mundo, num total de 98 países: pouco avanço, devido ao aumento contínuo na taxa de mortes.

Em 2010, de acordo com levantamento realizado pelo Instituto Avante Brasil, o Brasil passou a ser o 20º país mais violento, dentre 187 países. Em 2012, nesse grupo, chegou ao 12º lugar. Em 2010, o Brasil foi responsável por 52.260 homicídios, ou uma taxa de 27,3 mortes para cada 100 mil habitantes; em 2012, apresentou um crescimento de 7,8% em números absolutos, registrando 56.337 mortes e uma taxa de 29 para cada grupo de 100 mil habitantes.

Com esses números, perguntei, como pode o Brasil se tornar uma potência mundial? Ele me respondeu:

"Há muita coisa para se fazer, porém, uma delas será absolutamente imprescindível, porque é a primeira de todas: reconhecer que a cultura do Ocidente está em franca decadência. Essa é a raiz de praticamente todos os problemas dos países ocidentais, que estão ameaçando concretamente o futuro das gerações vindouras; as pessoas estão perdidas e as instituições se encontram falidas. Tudo isso nos impede de viver uma vida plena e satisfatória. Algumas das nossas sociedades estão invertebradas. Outras são, desde a origem, invertebradas, sobretudo do ponto de vista moral e ético".

Lamentavelmente, eu disse, o Brasil se encaixa no segundo grupo: somos um país invertebrado moralmente, desde o descobrimento (em 1500). Essa é a nossa peste invisível, que aqui se espalhou com a postura individualista e extrativista dos conquistadores, que transmitiram esse vírus maligno de geração em geração, corroendo de forma profunda a espinha dorsal que rege as relações humanas e sociais, afetadas até à raiz pela nossa forma de pensar, nossas opiniões, nossos juízos e nossos atos, pouco comprometidos com a vida saudável em sociedade.

Meu interlocutor concluiu: "O bloqueio ético que invadiu a cultura ocidental nos impede de pensar coletivamente. Cada um busca a satisfação exclusiva dos seus interesses, a realização dos seus desejos (cada um por si e ninguém pelo todo). Essa é uma cultura nitidamente alienante e decrépita, que altera nossa capacidade de raciocinar, assim como nossos sentidos e chega mesmo a destruir nossa própria identidade e nossas ideias, projetando-nos para um niilismo absoluto, onde reina a ausência de regras (anomia) e de autoridade, assim como de crenças coletivas e tradições".

Antes que ele encerrasse seu discurso indaguei: "Vivemos ao sabor dos ventos, sendo indiferente para nós se eles sopram para a esquerda ou para a direita, para frente ou para trás, para o progresso/civilização ou para a barbárie?".

Ele prosseguiu: "Nada mais atinge nossa sensibilidade, ainda que se trate de um ato extremamente cruel e desumano. Somos indiferentes à dor alheia, ao sofrimento dos demais. As sociedades invertebradas estão fulcradas na crença e no pensamento de que só se considera como realização pessoal a que se alcança mediante a satisfação dos desejos mais primários, das pulsões mais primitivas, que passaram a constituir o padrão de referência para valorar as consequências dos nossos atos. O bem absoluto é a satisfação dos nossos interesses, pouco importando o que eles significam para o progresso ou retrocesso da comunidade, da ética e da moral. O bem supremo da vida é a realização do nosso desejo, dos nossos interesses, ainda que alcançados por meios aéticos e imorais, ainda que conquistados por formas tortas e deploráveis, com violação das frouxas e fluidas regras procedimentais. Trocamos a razão objetiva pela razão subjetiva, ou seja, pelo que manda a vontade de cada um, sem considerar que os humanos não vivemos isolados dos outros humanos".

Você sabia que nós, brasileiros, temos uma Estátua da Liberdade oficial?

Quando pensamos em um monumento que represente o Brasil, imediatamente vem à nossa cabeça o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, eleito uma das novas sete maravilhas do mundo em 2007. E quando pensamos em um marco da cidade de Nova York? Sem dúvida alguma, o que figura é a Estátua da Liberdade, construída na Ilha da Liberdade.

Mas você sabia que nós, brasileiros, também temos uma Estátua da Liberdade? É claro que não da mesma dimensão que a original, mas ainda assim original, já que foi feita pelo mesmo escultor que criou o famoso monumento norte-americano. Toda produzida em bronze, ela se encontra hoje no bairro histórico de Jaraguá, em Maceió, Alagoas.

Uma de três

Frédéric Auguste Bartholdi, autor da estátua que hoje é cartão postal de Nova York, criou apenas três exemplares idênticos do seu monumento, todos eles produzidos com os mesmos materiais. Um deles, medindo cerca de 46 metros e pesando mais ou menos 24.635 toneladas, é o principal, aquele que se encontra hoje na cidade americana.

Das outras duas também assinadas por Bartholdi, uma foi enviada para a cidade de Paris, na França. A outra, primeiramente foi enviada para o Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. Porém, devido à grande amizade do escultor francês com o pintor alagoano Rosalvo Ribeiro, a estátua foi transferida para Maceió.

Hoje, existem réplicas espalhadas por todas as partes do mundo, mas somente essas três foram feitas pelas mãos de Bartholdi. Uma cópia da Estátua da Liberdade se encontra na cidade do Rio de Janeiro, mas ela é uma homenagem ao escultor francês. Ela também não foi produzida em bronze (como os monumentos oficiais), mas sim em liga de níquel.

A história da Estátua da Liberdade brasileira

Como foi dito, o protótipo original foi enviado entre os séculos 19 e 20 para a Praça dos 18, que está localizada no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. Não se sabe se como presente para o pintor alagoano Rosalvo Ribeiro ou como troca de peças de arte entre os artistas, ela foi transferida para a cidade de Maceió, Alagoas, onde fez uma verdadeira peregrinação.

Primeiramente, ela foi para a Praça Dois Leões e, em 1918, sendo deslocada para um pedestal no lugar que hoje abriga o Museu da Imagem e do Som de Alagoas — MISA. No ano de 1939, novamente ela foi mudada agora para a Praça do Centenário, no bairro do Farol. Em 1956, o lugar foi ocupado por uma estátua do general Góes Monteiro, e ela foi levada novamente.

Dessa vez, para uma pequena praça recém-construída entre os bairros de Jaraguá e Pajuçara. Então, nos anos 90, a Estátua da Liberdade brasileira voltou para o local de origem, em um pedestal próximo ao MISA, onde está até hoje e pode ser visitada por qualquer pessoa que se interesse pela história do monumento e da cidade.

Situação precária

Porém, as autoridades brasileiras parecem não dar muita atenção para a Estátua da Liberdade enviada por Frédéric Bartholdi para o nosso país, pois ela se encontra hoje em situação de abandono. Segundo o jornalista Maikel Marques, atualmente ela jaz enferrujada em seu pedestal e é ignorada pelos alagoanos e turistas que passam pela praça.

O monumento está esquecido e maltratado pelo tempo em um local habitado por muitos usuários de drogas, como crack, maconha e cocaína, motivo pelo qual as pessoas desistem de visitar o local e conhecer a estátua e sua história. Isso é realmente uma pena, já que todos os símbolos históricos do país atribuem um grande conhecimento às pessoas.

Curiosidades sobre a Estátua da Liberdade

Você sabia que...

... a Estátua da Liberdade — em inglês: The Statue of Liberty e, em francês: Statue de la Liberté — tem como nome oficial “A Liberdade Iluminando o Mundo” — inglês: Liberty Enlightening the World; francês: La Liberté Éclairant le Monde?

... ela foi um gesto de amizade da França para com os Estados Unidos?

... para desenvolvê-la, Bartholdi contou com a ajuda do francês Gustave Eiffel, mesmo engenheiro da Torre Eiffel, marco de Paris?

... a Estátua da Liberdade foi baseada no monumento Colosso de Rodes, estátua de Hélio (deus do sol na mitologia grega), uma das sete maravilhas do mundo antigo?

... o povo francês foi quem arrecadou os fundos necessários para que Frédéric Bartholdi pudesse começar a trabalhar na estátua de dimensões colossais?

... essa matéria foi uma sugestão da leitora Ivine Honorato? Obrigada, Ivine. E continue nos acompanhando! Se você tem alguma sugestão, envie para a gente!


Fonte: http://www.megacurioso.com.br/cultura/48148-voce-sabia-que-nos-brasileiros-temos-uma-estatua-da-liberdade-oficial.htm

Cemitério secreto de aviões

O norte americano Walter Soplata, dono de um ferro-velho é o proprietário desta incrível coleção de aviões da Segunda Guerra guardados em um terreno no estado de Ohio. Walter morreu a alguns anos e a família dele mantém em segredo a localização exata do cemitério para evitar que o ferro-velho atraia coletores. A família se recusa a vender a coleção para museus. Enquanto isto a ferrugem vai tomando conta. Siga abaixo:


Momentos espetaculares

Um belo acervo de imagens antigas do cotidiano de pessoas comuns pelo mundo todo. Você vai conferir ainda fotos de políticos, artistas e personalidades em flagrantes incríveis e até engraçados além de várias registros dos momentos finais da Segunda Guerra Mundial. Algumas imagens mudaram o mundo.