Almanaque umdoistres

Julho 2018

Todas as publicações em  Almanaque umdoistres são de textos e imagens que circulam diariamente entre as milhares de Caixas de Entrada de grupos que compartilham e-mails entre si. O endereço umdoistres@umdoistres.com.br, desde 2003 faz parte de incontáveis Catálogos de Endereço no Brasil e exterior. Nada publicado aqui é de autoria de nossa equipe - salvo quando assinado.

    Janeiro 2018   Fevereiro 2018   Março 2018  Abril 2018  Maio 2018  Junho 2018  Julho 2018

                  Almanaque 2017  Almanaque 2016  Almanaque 2015  Almanaque 2014   Almanaque 2013  Almanaque 2012  Almanaque 2011   Almanaque 2010   Almanaque 2009   Almanaque 2008  

BONS TEMPOS DAS LOCOMOTIVAS A VAPOR
Locomotivas a vapor pelo mundo

Locomotivas a vapor na Africa
https://www.youtube.com/watch?v=9VQNBk3Ecys

Locomotivas a vapor no Brasil
https://www.youtube.com/watch?v=a4zFNN-zRzM

Locomotivas a vapor em Portugal
https://www.youtube.com/watch?v=xrzEo0sY7rc

Locomotivas a vapor na Alemanha
https://www.youtube.com/watch?v=pL29cNFGrso

Locomotiva a vapor USA
https://www.youtube.com/watch?v=ocfwv8NpYKE

Locomotivas a vapor na África
https://www.youtube.com/watch?v=delFKBkWJAA

Locomotivas a vapor na Áustria
https://www.youtube.com/watch?v=CpCZM7M_2jk&list=PLAFD776CB63F45FE3

Locomotivas a vapor na Austrália
https://www.youtube.com/watch?v=i0gaHvVOz8E&list=PLAFD776CB63F45FE3&index=19

Locomotivas a vapor na África do Sul
https://www.youtube.com/watch?v=xVYS7xj3eic

Locomotivas a vapor na Romenia
https://www.youtube.com/watch?v=lod9407AoDU

Papagaio, sagui... Como legalizar ou denunciar posse de animais silvestres?

 

Manter um animal silvestre em cativeiro sem licença do Ibama, e isso inclui tratá-lo como bicho de estimação na sua casa, é crime e pode resultar em pena de seis meses a um ano de prisão, além de uma multa, segundo previsto pela Lei de Crimes Ambientais, art. 29 ao 37 da Lei nº 9.605/98. São considerados animais silvestres todos aqueles que foram tirados da natureza e não estão acostumados com a presença do homem. Alguns bichos frequentemente tratados como domésticos, como papagaio, sagui e jabuti, podem enquadrar você nessa lei, portanto, fique atento às orientações abaixo.

O que eu tenho a ver com isso?

Os animais fazem parte de uma cadeia alimentar, então, se um deles for extinto, pode comprometer o equilíbrio da natureza e significar o desaparecimento de muitas outras espécies. Caso encontre um animal silvestre, você pode ajudar fazendo denúncias protegidas pelo anonimato (confira as formas de contato no último item) e tomando os cuidados abaixo.


Qual é a diferença entre animal silvestre e doméstico?

O animal doméstico está acostumado ao convívio com o ser humano - é o caso de gatos, cachorros, cavalos, porcos, galinhas, ovelhas, coelhos, hamsters, calopsitas, cabras e chinchilas (desde que reproduzidas em cativeiro com autorização). Segundo a WWF, alguns bichos comumente tratados como pets são, na verdade, silvestres, e precisam de autorização especial para serem criados em casa, como o papagaio, o mico e o jabuti. O Ibama disponibiliza uma lista contendo todas as espécies consideradas domésticas (veja aqui). Se o animal não estiver nessa lista, você precisa de uma licença para obtê-lo. É considerado animal silvestre todo aquele que foi tirado da natureza e não está acostumado com a presença do homem. Pela lei brasileira, são todos os bichos "pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de vida ocorrendo dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais brasileiras".


Quais são os animais mais resgatados pela polícia ambiental?

Segundo o Ibama e a Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, os animais que as pessoas mais mantêm em casa ilegalmente e, portanto, mais apreendidos pela fiscalização ambiental e com a maior taxa de devolução são da classe das aves, principalmente os chamados passeriformes (curió, canário-da-terra, trinca-ferro, bicudo, papa-capim) e psitaciformes (papagaios, periquitos e araras). O Ibama aponta também um grande número de entrega de tartarugas e primatas.


Encontrei um animal silvestre; o que eu faço?

Se o animal estiver em alguma situação de risco (por exemplo, se é mantido cativeiro, está ferido ou fora de seu habitat), ligue imediatamente para a Polícia Militar Ambiental, Guarda Civil Municipal ou Corpo de Bombeiros e aguarde orientações - algumas espécies podem transmitir doenças e causar ferimentos, além de sofrer grande estresse pelo contato com o homem. O resgate será realizado o mais brevemente possível, de forma a minimizar os riscos ao animal e à população. Caso não seja possível, você pode tentar entrar em contato com o Ibama mais próximo ou com o serviço Linha Verde do Ibama (0800-618080).


Como é feito o resgate e para onde vão os animais?

"Os policiais ambientais recebem cursos ministrados por veterinários da Fundação Zoológico e da UNESP (Botucatu), os procedimentos e equipamentos são diversos e podem variar de acordo com a situação e o tipo de animal a ser resgatado", conta a assessoria de imprensa da Polícia Ambiental do Estado de São Paulo. Por padrão, primeiramente ele será encaminhado a um Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), que faz a triagem, identificação, tratamento, reabilitação e destinação dos animais encontrados. Depois, poderá ou não retornar à natureza. Os CETAS podem ser federais, municipais, estaduais ou privados. No Estado de São Paulo, por exemplo, existe apenas um CETAS Estadual (o CRAS PET, localizado no Parque Ecológico do Tietê, na capital); já o CETAS Lorena, no interior de SP, é federal.


Como saber se devo ligar para a polícia ou ir aos CETAS?

Caso você queira devolver um animal de estimação silvestre após se arrepender da compra (uma ave, por exemplo), você mesmo deve ligar para verificar a disponibilidade das vagas de um CETAS e levá-lo até o local. Já a polícia ambiental atua com base em denúncias e realiza vários tipos de resgate, por exemplo: animais silvestres feridos em ambiente natural (onça presa em armadilha de caça no meio da mata), em estradas (veado atropelado em rodovia), em ambiente público ou urbano (jacaré em lago na praça da cidade ou coruja ferida na cidade por linha de pipa), em propriedade particular (jaguatirica que entrou em escritório) ou instalados em edificações humanas (maritacas que fizeram ninhos no telhado de uma casa). O mais comum é o resgate de animais silvestres mantidos em cativeiro irregularmente, por exemplo, um canário-da-terra que foi retirado da natureza mantido em gaiola.


Tenho um desses, mas não sabia que era ilegal; serei punido?

Se você comprou um desses animais de um local que não tinha autorização do órgão ambiental para funcionamento, você pode devolvê-lo a um dos CETAS de sua região sem nenhum tipo de punição. A devolução voluntária não acarreta penas. Porém, se você não entrar em contato com nenhum órgão responsável para regularizar sua situação e for denunciado, você poderá pagar multa de R$ 500 a R$ 5.000 por animal apreendido, conforme descrito no Decreto 6.514/2008. E, caso ele esteja em lista de espécie ameaçada de extinção, é adicionada detenção de seis meses a um ano.


Posso visitar meu animal nos Centros de Triagem?

Não. Uma vez encaminhado aos CETAS, o animal será cuidado pela equipe de especialistas, entre veterinários e biólogos, que vai tratá-lo e prepará-lo para o retorno à natureza, em Áreas de Soltura de Animais Silvestres (ASAS) cadastradas. Segundo o site do Ibama, dos 39.637 animais recebidos em 2014, 78% foram devolvidos ao habitat natural. Já em 2016, os CETAS receberam 54.352 animais, dos quais 81% foram realocados, sendo 32 mil por soltura na natureza. Se, após passar pelos centros de tratamento, for verificada a impossibilidade de reintrodução na natureza, o animal será encaminhado para um empreendimento de cativeiro de fauna silvestre autorizado, que pode ser um zoológico ou um mantenedor de fauna silvestre.


Posso apenas devolver o animal a um zoológico ou soltá-lo na natureza?

Não! Zoológicos não estão preparados para receber tartarugas, aves e outros animais que foram mantidos como animais domésticos sem um preparo de especialistas. Esses animais não estão prontos para voltar à natureza por conta própria e precisam passar por um processo de reabilitação, pois talvez não tenham sido ensinados a caçar o próprio alimento, além de correrem sérios riscos em contato com animais selvagens. Portanto, não abandone de forma irresponsável, procure CETAS da sua região e verifique a disponibilidade do local. Os animais não são retirados da residência das pessoas que desejam entregá-los. A própria pessoa deverá fazer a entrega voluntária no centro.


Como faço para ter um animal silvestre dentro da lei

Se você pensa em ser como o Latino e cuidar de um animal silvestre, como o macaco Twelves, primeiro certifique-se de obtê-lo por meio de um criador ou lojista autorizado pelo Ibama. Além de nota fiscal, o estabelecimento precisa apresentar uma "Autorização de Uso e Manejo", e o animal deve estar devidamente marcado com uma anilha ou microchip, que o identifica como uma espécie de RG. É possível também trazer um animal de outro país legalmente, mas fique atento: algumas espécies que são bichinhos de estimação populares em outros países tiveram a importação proibida no Brasil, como o hedgehog (ouriço terrestre africano). Animais que não tenham sido obtidos por um local autorizado a comercializar animais silvestres não podem ser legalizados em nenhuma hipótese, mesmo se tiverem anos de cativeiro e qualquer impossibilidade de retorno à natureza. Nesse caso, devem ser devolvidos espontaneamente a um centro de triagem, onde o animal será tratado e encaminhado a um local autorizado pelo Ibama


Os CETAS da minha região estão lotados; o que eu faço?

"Devido à alta demanda e ao limitado número de vagas, pode ser que, no dia em que a pessoa entrou em contato, não havia vagas disponíveis. Tendo em vista a rotatividade de animais nesses empreendimentos, o quadro de vagas pode variar em função do tempo, portanto pode haver uma previsão dada pelo empreendimento de quando poderá receber o animal", informou por e-mail a assessoria da Secretaria Ambiental de São Paulo. A assessoria de comunicação do Ibama disse por e-mail que casos como esse são excepcionais e podem ocorrer, por exemplo, em razão de um surto de doenças. "Nessas situações, o interessado é direcionado ao CETAS ou Ibama mais próximo, ou orientado a procurar o órgão ambiental estadual, que irá receber e dar destinação ao animal."


Como denunciar um crime contra animais?

Qualquer atividade suspeita que envolva caça, manutenção em cativeiro, transporte, comércio, utilização indevida de animais silvestres, destruição de ninhos e abrigos e maus-tratos a animais silvestres ou domésticos deve ser denunciada. O site da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo pede que o maior número possível de detalhes seja fornecido para a fiscalização, como o tipo de crime e a localização precisa de onde está ocorrendo (endereço, cidade e pontos de referência, principalmente em áreas rurais). Alguns dados, como nome e forma de contato, são pedidos para ajudar na investigação, mas serão mantidos em anonimato, se assim a pessoa quiser. "Os dados do denunciante nunca são divulgados e o sigilo é absoluto. Quando o registro ocorre de forma anônima não é possível fazer o acompanhamento da denúncia", informou, por e-mail, a assessoria de Policiamento Ambiental do Estado de São Paulo.

Contatos para denúncia
Ibama: 0800-618080 ou linhaverde.sede@ibama.gov.br
Polícia Ambiental: 5085-2100 ou cpamb@polmil.sp.gov.br
Polícia Federal: (61) 311-80000 ou dmaph.cgpfaz@dpf.gov.br
 

Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/bol-listas/papagaio-sagui-como-legalizar-ou-denunciar-posse-de-animais-silvestres.htm